imagem de capa da página

PESQUISAR NESTE BLOG

quarta-feira, 25 de abril de 2018

RICARDO DE BENEDICTIS - CRÔNICA

GRANDE PAÍS DE HOMENS PEQUENOS
Ricardo De Benedictis
O nosso “Gigante” está deprimido e ofegante. Facada aqui, facada ali, acolá, facadas ‘a mão cheia’ deitaram o ‘gigante’ que, dada  a letargia causada pelos seus algozes, em suas contínuas investidas macabras, adoeceram-no, a ponto de não poder levantar-se e erguer-se perante o mundo!
Foram tantos os ataques traiçoeiros, na calada da noite, sem qualquer punição, que os bandidos passaram a ataca-lo sob a luz do sol e até sob os holofotes das emissoras de TV.
O ‘gigante’ está doente. As instituições estão doentes. Os brasileiros estão doentes.
Agora, reconhecida a nossa letargia, passamos a receber um tiro dali, de lá, de alhures, daqueles que julgávamos amigos do Brasil, mas que sempre estiveram na posição de rapinas: ‘Faltou farinha, meu pirão primeiro’. ‘Já que o próprio brasileiro não gosta do seu país. Por que os estrangeiros – banqueiros e capitalistas em geral, detentores de farto dinheiro pilhado - haveriam de gostar?’.
Depois dos sucessivos governos sugarem as riquezas pátrias, conseguiram a proeza de ‘quebrar’ a PETROBRAS. Mais recentemente, e lá se vão 3 anos, a SANMARCO E A VALE, detentoras da exploração de minério de ferro na região de Mariana-MG, por negligência e crendo na impunidade reinante, capitanearam a maior tragédia ambiental da história do mundo. Pior que o acidente nuclear que a antiga União Soviética (Leia-se: Rússia), causou em Shernobyl, cujos danos à humanidade e ao meio-ambiente persistem e persistirão por séculos. O desastre de Mariana foi pior: destruiu o Rio Doce em toda a sua extensão, atingindo até os corais de Abrolhos, uma das maiores reservas da vida marinha do mundo, seguramente, a maior do Brasil e que fica em Caravelas, na nossa Bahia. Minerodutos destas empresas assassinas estão consumindo água potável em quantidades essenciais para o consumo humano e para a irrigação, sob as bênçãos de governos desmoralizados, cujos dirigentes estão presos, ou em via de processo criminal. Brasileiros ladrões do erário, que vendem a alma para guardar dinheiro nos Bancos Suiços e nos paraísos fiscais... E nem a SANMARCO, nem a VALE pagaram as vultosas multas que lhes foram impostas pelos órgãos ambientais estatais e/ou pela Justiça. Isso se torna uma mancha na vida do país. O Judiciário funciona para acobertar os malfeitores, principalmente aqueles do ‘colarinho branco’, que têm muito dinheiro para pagar bancas de advogados poderosos, ligados aos Três Poderes da República, inclusive ao Poder Judiciário.
As idas e voltas que os ministros do STF vêm protagonizando na ‘Lavajato’ é a expressão da vergonha Nacional. O Brasil está na UTI e os próprios brasileiros já o consideram um cadáver insepulto. Depois voltaremos ao tema, se vivos ainda estivermos. Eu, o leitor e o nosso ‘gigante’!  

terça-feira, 17 de abril de 2018

CRÔNICAS - BIG BEN

A missão
BIG BEN
Em 1962, o presidente John F. Kennedy perante o congresso dos Estados Unidos afirmou : "Eu acredito que esta nação deve comprometer-se em alcançar a meta de colocar um homem na lua antes do final da década ( 1970 ) e trazê-lo de volta à Terra em segurança". A partir deste pronunciamento histórico, estava definida a missão da "década de ouro" da nação americana.

Afinal de contas, o que é missão? O entendimento mais antigo de missão é "envio" no sentido de "destinação", e tem sua origem nas duas mais antigas instituições humanas: os exércitos e a religião. Numa segunda acepção possível, a missão é "encargo", a incumbência ou dever que é a razão do envio. E numa terceira acepção, a missão é o próprio objetivo desejado, também chamado de escopo, alvo ou meta.

Voltando para a missão do presidente Kennedy, imagine a quantidade de recursos humanos, tecnológicos, financeiros, materiais e científicos que foram utilizados em grau máximo para dar conta de cumprir esta "missão" digna das histórias fantásticas de Júlio Verne. No meu entendimento, graças à obediência a esta missão americana "quase impossível", o homem tornou possível quase todas as maravilhas tecnológicas do mundo contemporâneo. O que seria de todas as suas comodidades do século 21 sem essa missão pioneira?

Percebeu? A missão simplesmente é o início, o meio e o fim. Todos os seres vivos têm uma missão. A missão é inerente à vida! Sem ela a vida não faz sentido, não se sustenta, não tem chão, não tem força. O mundo é na verdade, resultado de um histórico de missões bem e mal sucedidas. O que seria da humanidade sem as missões
extraordinárias de Mahatma Ghandi, Martin Luther King e Nelson Mandela?

A palavra missão é tão poderosa que faz o pombo voar sem asas; o pequenino vencer o gigante; o plebeu destronar o rei; o cego voltar a enxergar; enfim, o impossível se tornar possível. Cuidado com essa palavra mágica! Ela desperta o leão que há dentro de você! Ou seja, ela faz você "renascer mil vezes". Acredite nisso: não existe missão impossível!

Nós nascemos para cumprir uma missão! Uma pessoa madura é capaz de estabelecer qual será a missão fundamental de sua vida. E toda vez que ela estiver diante de uma decisão, diante de um passo da vida, pergunta a si mesma: isso me aproxima ou me afasta da minha missão?

O mundo precisa de missão que não alimente a animosidade, que não tolere a intolerância, que não estimule o preconceito, que não catapulte o ódio, que o objetivo final não seja a felicidade de poucos, mas sim a felicidade de muitos. Concluindo, lembre-se: Cristo teve que morrer mil vezes na cruz para que a sua missão fosse cumprida. E você já tem a sua missão?